Criatividade e inovação dentro da organização

E se, em vez de investir altas somas na, também, arriscada possibilidade de tentar a contratação de uma consultoria externa, sua organização desenvolvesse o potencial dos colaboradores internos? Não faz mais sentido, isso?
Afinal, quem tem mais, e maior, conhecimento a respeito dos referenciais de produção e de qualidade da organização? Isso está dentro, ou está fora, da organização?
Os tempos são outros. Portanto, possivelmente, o necessário é:
1. dominar seu tronco cerebral, mais precisamente, seu cérebro reptiliano;
2. alternativamente, sair da sua atual zona de conforto;
Explico.
No primeiro caso, nosso cérebro reptiliano, nossa herança biológica, levam-nos a três possíveis reações, diante do medo – ou diante dos problemas: fugir, congelar ou lutar. Na média, costumamos ficar ‘congelados’ e transferir o problema para um ‘guru’ que possa ‘com sua visão isenta’, chegar, perceber e identificar a solução.
Isso até pode acontecer. Mas, a organização tem, e terá, problemas e necessidades de inovar, com frequências cada vez maiores. Nesse caso, deverá reservar parte de suas receitas para uma conta ‘Consultorias’, permanentes.
Uma alternativa é desenvolver habilidades criativas e inovadoras dentro de casa.
Isso é possível? Claro que sim.
Compreendendo que os comportamentos dos usuários e consumdores, está cada vez mais diferente, é preciso deixar de arriscar em novos produtos, buscando maior compreensão sobre as reais necessidades.
Contextualizar, imergir, compartilhar, vivenciar, experienciar são algumas das chaves dessa descobertas de oportunidades. E isso não é tarefa se suer-homens, ou super-mulheres.
Se você tem interesse em como isso pode ser feito, controle seu cérebro reptiliano e lute: https://forms.gle/xW5teAQiRqMdNBm1A
crise

Na empresa ou na escola? O que importa é mudar a visão. Então o certo é: na empresa E na escola.

O futuro incerto, provoca intensa necessidade de aprendizado contínuo e inovador. É necessário que os gestores mudem suas visões de mercado. Fazer mais do mesmo, não leva nenhuma empresa a ter diferenciais e ser competitiva. É preciso empatia.

DesignNegocios

Quando vamos mudar?

Decisões, sobre decisões, e continuamos errando. Temos o desrespeito em nosso DNA. A falta de preocupação com o próximo, é uma realidade. E não adianta alegar que ‘somos um  povo jovem’. Os E.U.A. tem a mesma idade da nossa.

Se não aprendermos com as últimas duras lições de vida (greve de caminhoneiros, questões econômicas, corrupção política, problemas ma Saúde etc), não haverá mais chance para nós.

Outro exemplo: a escolha sobre nosso modelo de transporte. Apostamos errado. Em vez de um modal múltiplo, centralizamos, ou melhor, apostamos, no transporte rodoviário. Poluente, custoso e ineficiente, além de todos o riscos que pode apresentar em transportes de cargas perigosas.

Nem considero que haja um modelo único. Não é isso. A questão é de ter opções, quando elas forem necessárias.

Transportes ferroviários em larga escala, para cargas e passageiros, por exemplo. Em São Paulo, temos os Rios Tietê e Pinheiros, que formam um verdadeiro anel, no entorno da cidade. Por quê, não desassorear e tornar esse canal, navegável?

Vemos que, ainda hoje, a opção para projetos de transporte de massa, recai sobre transportes do tipo BRT – que surgiu como importante solução, nos projetos de Curitiba. O problema é que está sendo proposto como uma panacéia. lembro-me que, há muito tempo, alegaram que os bondes atrapalhavam a circulação de veículos. Por isso, deveriam ser aniquilados. Isso foi feito. Hoje temos cidades de primeiro mundo, nas quais os VLT são verdadeiros atrativos urbanos. Não poluem, tem custo de implantação mais alto, sim. Mas, a relação custo x benefício, pende para o vantajoso.

Nossa engenharia, certamente, é mais capaz. Capaz de NÃO FAZER porcarias como as juntas de dilatação do tampão do Tamanduateí: aberrações urbanas.

VLT em Zaragoza, Espanha (Tranvia), nas duas primeiras fotos. Na última foto, Trem AVE, de alta velocidade, que sai de Madri e vai para a França, passando por Zaragoza e Barcelona. Transportes limpos, seguros, não-poluentes…