Como a experiência pode ser estratégica

 

post2

O grande problema, no mundo dos negócios, é que, em tempos de crises, as mentes ficam menos sensíveis às oportunidades.

É interessante lembrar que, se, da palavra CRISE, extrairmos o ‘S’, ficamos com CRIE. Então, ser criativo é  – também – buscar alternativas para manter-se em movimento, ativo, e, por que não, com ânimo.

Construir um ambiente positivo, pode incluir vários fatores. O compartilhamento pode significar a criação de uma esfera propícia.

É inegável a importância do vinho, como um agregador social. Certamente, questões éticas estão envolvidas. Mas, para os que insistem em ver o copo meio vazio, em vez de meio cheio, lembro que, se há algum problema, ele não está no vinho, nas nas cabeças. Aí, cada cabeça é uma sentença.

O que você pensa a respeito? Vamos criar oportunidades?

VINIGMA: scape room para apreciadores de vinhos.

A onda dos scape rooms, agora invade o mundo dos apreciadores de vinhos: VINIGMA . Lançado na Espanha (tomara que alguma importadora o traga em breve, para o Brasil), o jogo é contido nas embalagens, na garrafa, no  próprio vinho. Para jogos de empresas, para degustações, o vinho passa a ter ainda mais atrativos para tornar a bebida (na verdade um alimento), mais social. As empresas, aliás, podem otimizar bastante seus relacionamentos e seus negócios, tornando o vinho um componente das experiências de seus stakeholders.  Os autores do jogo, são grandes e experientes profissionais (Ivan Tapia, Xevi Victori e Narcis Lupon). Acesse o link e saiba mais.

Quer (boas) opções?

Conhecer e aprender. Em minha opinião, é o que há de melhor na vida. Por isso, esse é o lema do meu blog.

Sempre com nosso grupo da SBAV-SP, fomos conhecer a Pousada Famiglia Barthô, em Espírito Santo do Pinhal, interior de São Paulo. A região está sendo chamada de “A Toscana brasileira”. Acho que é muita pretensão, mas, se isso ajudar a desenvolver o local, está valendo.

Entendo que, a principal razão para isso, esteja no fato de que, a região esteja despontando sua vocação para produção de (bons) vinhos. Despontando, pois, até então, os vinhos já produzidos por lá, não apresentavam níveis adequados. Atualmente, há muita coisa boa (e outras nem tanto, ainda), Há muito boas opções, como os produzidos em Itobi (Verrone), em Andradas (Mosconi), Três Corações (Estrada Real) e, claro em Pinhal, a  Guaspari. Embora ainda sejam poucas, essas opções representam muito bem, o esforço de bons produtores. A cidade que, é importante produtora e exportadora de café, tem uma produção vinícola de fazer inveja.

Destaque deve ser dado – SEMPRE – ao trabalho dos presquisadores da EMAPIG, que desenvolveram uma técnica – essa sim brasileira – para solucionar o problema da colheita durante o verão, chuvoso: a poda invertida, ou de inverno. Com ela, a colheita é feita de maio a julho. Diferentemente do que, via de regra, acontece no hemisfério Sul, de março a abril.

Ainda na cidade de Pinhal, podemos recomendar a Trattoria Opção, como um local interessante para um almoço.20180531_19135320180601_163654