Tão perto, tão bela: Cunha

Se há um lugar, bonito e cheio de atrações – todas ótimas – esse lugar é Cunha. Na entrada de Guaratinguetá (Via Dutra), acessamos a ótima estrada que, após 56 km, chegamos ao destino. Pousadas, há várias. Recomendo a Pousada Barra do Bié. Além do simpático casal, Ciro e Ana, as instalações são excelentes. É certo que ela fica há 6 km do asfalto. Mas, se você quer sossego, é o lugar.No mais, há várias cerâmicas como a Jardineiro & Suenaga e Augusto Campos e Lei Galvão. Uma das principais atrações locais, está relacionada com a transformação da região num pedaço da Provence. É o Lavandário . Alias, nesse domingo (15/jan/2017), a Globo apresentou uma ótima reportagem – na qual aparece uma outra excelente opção para conhecer os campos de lavanda, que é o Contemplário. 20150822_110806

Paz e beleza

Numa das viagens ao Chile (2015), fomos visitar 5 vinícolas, acompanhando um grupo de confrades, da SBAV – Sociedade Brasileira dos Amigos do Vinho. A mais antiga confraria de vinhos do Brasil. Uma das excelentes bodegas visitadas foi a Vinícola Montes, que, além das belezas naturais, há o trabalho caprichado na arquitetura local. Para ter-se uma ideia, na sala onde ficam as barricas de carvalho, nas quais os vinhos descansam, tocam canto gregoriano o tempo todo.

Para terem ideia das belezas locais, não pude conter-me ao vislumbrar esses álamos, no estacionamento da bodega. É… só podemos sair daqui, embriagados.

A Cesar, o que é de Cesar

Durante nossa visita à USJ – Universidade San Jorge, em Zaragoza, Espanha, aproveitamos para desfrutar do momento do qual estávamos vivendo: chegamos na Semana del Pilar, a maior festa cultural da região. Conhecemos a Catedral del Pilar, o bairro El Tubo e, na praça onde ficamos (Plaza de Spaña), além de todas as belezas, havia esse Shopping Gastronómico, o Puerta Cinegia. Dentro do shopping, há uma estátua de Cesar – um dos invasores da cidade – com cerca de 10m. Uma atração especial, que leva as pessoas a sentarem-se na mesinha que possibilita ‘pegar na mãozinha’ do soldado.

Porchetta: uma dessas delícias que podemos preparar e compartilhar

Come fare una porchetta in casa. Qualquer criança faz, qualquer criança se diverte. Brincadeirinha….A porchetta é feita com a parte lateral do porco. A peça deve conter as carnes da costela (retirando-se todos os ossos), bem como o lombo. Portanto, além da gordura que normalmente faz parte da pancetta, muita carne acaba fazendo parte da porchetta. As peças, podem ter de 4 a 12 kg (ou mais). Portanto, solicite ao seu açougueiro, qual o tamanho que você deseja. Sal, ervas finas, alho poró preparam a primeira fase do tempero – deixando-se de uma noite para o dia seguinte, em geladeira. Depois, com uma mistura de 1l de vinho (tingo ou branco) + 1l de suco natural de laranja, a peça fica marinando, por mais umas 8h. Costumo usar sacos plásticos de grande densidade. Eles facilitam bastante o manejo. Aí, os próximos passos, incluem alguns itens, a gosto, como duas linguiças calabresas, no recheio. Uma das partes mais difíceis, é da amarração. Estou aprendendo a costurar. Isso, levou-me a uma caça às agulhas para tal fim. Uma dificuldade à parte, visto que, nesse grande país, não encontramos as coisas tão facilmente. Estou adaptando coisas e, depois, posto resultados. Cinco horas, de forno, e temos essa belezinha aí. Nem cachorro come isso. Não sobra nada pros bichinhos.  Ah, para complementar, faço um molho com cebolas cortadas em julienne (não picadas, mas, em tiras), azeite, suco de 1/2 limão (siciliano) e um bom punhado de orégano. Abra a boca…