Quer (boas) opções?

Conhecer e aprender. Em minha opinião, é o que há de melhor na vida. Por isso, esse é o lema do meu blog.

Sempre com nosso grupo da SBAV-SP, fomos conhecer a Pousada Famiglia Barthô, em Espírito Santo do Pinhal, interior de São Paulo. A região está sendo chamada de “A Toscana brasileira”. Acho que é muita pretensão, mas, se isso ajudar a desenvolver o local, está valendo.

Entendo que, a principal razão para isso, esteja no fato de que, a região esteja despontando sua vocação para produção de (bons) vinhos. Despontando, pois, até então, os vinhos já produzidos por lá, não apresentavam níveis adequados. Atualmente, há muita coisa boa (e outras nem tanto, ainda), Há muito boas opções, como os produzidos em Itobi (Verrone), em Andradas (Mosconi), Três Corações (Estrada Real) e, claro em Pinhal, a  Guaspari. Embora ainda sejam poucas, essas opções representam muito bem, o esforço de bons produtores. A cidade que, é importante produtora e exportadora de café, tem uma produção vinícola de fazer inveja.

Destaque deve ser dado – SEMPRE – ao trabalho dos presquisadores da EMAPIG, que desenvolveram uma técnica – essa sim brasileira – para solucionar o problema da colheita durante o verão, chuvoso: a poda invertida, ou de inverno. Com ela, a colheita é feita de maio a julho. Diferentemente do que, via de regra, acontece no hemisfério Sul, de março a abril.

Ainda na cidade de Pinhal, podemos recomendar a Trattoria Opção, como um local interessante para um almoço.20180531_19135320180601_163654

Como tudo é bom, na Toscana…

Aprendi a fazer, e não paro de repetir: cantucci. Oh, biscoitinho danado de gostoso. E fácil de fazer.  Vejam nas fotos, a fornada saindo.

Outras coisas boas de lá: esse Amarone. Fomos conhecer ótimas vinícolas. O berço dos Chianti, dos Brunellos premiados. Eu não tenho inclinações para os vinhos italianos – nem franceses. Mas, confesso, que aprendi a apreciar melhor essas delícias. Também, conhecendo o berço, é diferente.20180607_235506

Em Greve in Chianti, visitamos uma lojinhas e, além da camiseta, trouxe esse dispositivo que, agora, permite que eu fique com as mãos livres, sem perder minha taça. 20180530_100833