Top skills for the future

Estamos nos preocupando com concursos públicos, em garantir uma boquinha aqui e ali. Puro atraso de vida. Estamos acostumados com a ‘sustentável leveza da zona de conforto’. Segura o tchan, isso está com os dias contados. O corporativismo das profissões e do sindicalismo está por ruir. E não é uma questão político-partidária, são as muidanças. Eu sei, é difícil de acreditar e, principalmente, de aceitar. Mas, mude ou tudo lhe será (muito) mais difícil e você sofrerá mais. Toda mudança representa uma oportunidade. Você só tem que estar preparado. Em nossas turmas (CST Marketing), percebemos como uma das grandes dificuldades dos jovens, a convivência em grupo. Formar grupos para desenvolver trabalhos, é uma de suas maiores dificuldades. E é justamente aí que reside uma das principais habilidades para o futuro: a inteligência emocional. E é, também, interessante perceber como os jovens querem ‘pertencer’. Um paradoxo.  (eu só sei, que nada sei).

O que esperar do futuro: Top skills for the future. Ah você não lê nadinha de inglês. Seus problemas começam aqui.

Inveja boa: Santiago, Chile

Las Condes é um desses bairros perfeitos. A qualidade do asfalto, os parques, a tecnologia presente na sinalização,  os parques super bem cuidados. A polícia local, deve usar drones em 16 pontos do bairro, para aumentar o nivel da segurança.  Tudo é lindo, e seguro. Povo educado. O Parque Arauco repleto de jovens lendo, caminhando, pedalando. O Mall Arauco é um centro de compras e de gastronomia excepcional. Que inveja. Sem maldade.

Asi es el Costanera Center

Nossos heróis e nossas heroínas estarão juntos

MandalaPortugues3

A Jornada do Herói (e da Heroína, certamente), é um roteiro com base no qual, as estórias acontecem. Nossos alunos, já formados em CST Marketing, no próximo dia 03 de junho, estarão se encontrando para, juntos, trocar ideias com um monge que dará pistas (nem sempre exatas – ou recomendáveis). A dica sensacional, do Prof. Oswaldo Martins (Administração EGD) a respeito do uso de GPS – e do monge – serão muito bacanas para dinamizar o evento.

Reunindo a galera

20151022_21254020150212_203320O Luis Fernando (formando de 2011), deu uma sugestão: vamos organizar um encontro dos formandos? Daí, eu pensei: por quê não, todos os formandos – ao menos os que puderem? Então, vamos lá. Imaginem um sabadão, desde a manhã, nos reencontrarmos no campus Vergueiro. Quem sou ber tocar, toca. Quem souber cantar, canta… e assim vai.

Como a festa é de todos, vamos contruir isso juntos. Deem ideias.

Para organizar legal, creio que poderíamos pensar em 03 de junho de 2017. Entre 9h e 12h.

Quem se habilita?

MandalaImagem

Quer aprender inglês, numa boa?

Às vezes (podia acontecer com maior frequência), temos ótimas notícias. O Rafael, nosso ex-aluno do Curso Superior de Tecnologia em Marketing, está em Londres – quer melhor lugar para falar e ensinar inglês?. Gente empreendedora e ‘que faz’, decide. E quando decide ajudar às outras pessoas? O site GoLearners tem um mundo de dicas de aprendizado. Não deixe de aproveitar. Com a permissão do Rafa, estou reproduzindo um post bem bacana. Ficou legal, mesmo.

Você deve ter percebido que as coisas mudaram muito de um tempo para cá, né. Pois é, estamos em um período de transição entre um modelo de sociedade industrial e um modelo de sociedade voltada para o conhecimento. Mas quais as principais diferenças entre esses dois períodos? Como a forma de aprender inglês mudou também?

Mudança no modelo de sociedade

Por muito tempo, o modelo de sociedade permaneceu o mesmo. A sociedade era mais simples e controlável. Os meios de comunicação eram rudimentares. As instituições controlavam praticamente tudo. O cidadão não era autônomo, pelo contrário, era submisso a um grupo e não conseguia exercer sua individualidade. Tudo era muito estável e havia previsibilidade. O acesso a educação e a informação era restrito e difícil.

Hoje, com a tecnologia, o cenário é completamente diferente. A velocidade de comunicação é incrivelmente rápida, as pessoas estão conectadas e se comunicam em tempo real. Assim, temos uma sociedade mais dinâmica e transparente. As pessoas são mais livres, informadas e críticas, e por meio da internet, têm acesso a uma quantidade enorme de informações. É possível consumir, produzir e compartilhar conhecimento a qualquer momento e de qualquer lugar, sem depender da autorização de instituições.

Compartilhar ideias e conhecimento se tornou algo completamente comum nos dias de hoje. Dessa forma, as instituições de ensino não são mais as únicas fontes de informação.

A influência da tecnologia na educação

Com a educação, a história não é diferente. Antes, para ter acesso à educação, as pessoas tinham que viajar até grandes centros de aprendizagem. Depois, vieram as escolas que tornaram esse processo mais acessível. O professor tinha o conhecimento e passava adiante aos seus alunos. Ele era a fonte de informação.

Na sociedade atual, o professor já não tem mais esse papel central. Seu papel é atuar mais como um guia, alguém que caminha ao lado dos alunos dando orientações. O acesso à educação se expandiu e hoje temos acesso online à livros, áudios, imagens e vídeos do mundo todo. Tudo ao alcance do seu clique.

Basta estar conectado à internet. Os estudantes de hoje podem interagir não só entre eles e com seu professor na sala de aula. Podem interagir com alunos de outras escolas, com professores de outros países e especialistas ao redor do mundo, que dominam o assunto que os alunos estão estudando. A sala de aula não é mais uma barreira limitadora.

Como a forma de aprender inglês mudou

O modelo que conhecíamos para aprender  inglês, durante décadas, era como o mencionado acima, tendo o professor como único responsável por ensinar os alunos. Você se matriculava em uma escola, frequentava as aulas em um grupo, e dentro de alguns anos, concluía o curso de inglês. Isso meio que funcionou durante um bom tempo. Porém, com o avanço da tecnologia, a forma de aprender inglês mudou. A quantidade de recursos que temos hoje aumentou, e com isso, podemos otimizar e transformar essa experiência de aprendizado em algo mais rápido, dinâmico e personalizado. Sabemos que cada aluno possui um ritmo diferente de aprendizado.

Portanto, o novo modelo de ensino respeita a individualidade de cada um. As aulas particulares, tendo o professor como um guia que fica ao lado do aluno o orientando, estão em alta. Outra forma muito conveniente são as aulas online. Você economiza o tempo de deslocamento e faz a aula de qualquer lugar, até de um coffee shop, por exemplo. Basta estar conectado à internet. Além disso, atualmente os estudantes não se limitam somente ao conteúdo da aula, como era antigamente. Eles utilizam diversas outras ferramentas para acelerar o processo de aprendizagem. Antes, a responsabilidade do professor era maior que do aluno. Hoje, os alunos assumem responsabilidade pelo próprio aprendizado e aquisição de conhecimento e utilizam todos os recursos disponíveis para aprender inglês.

Ferramentas atuais para aprender inglês

Embora fazer aulas seja muito importante, existem outras ferramentas que podemos utilizar para aprender inglês. Quanto mais contato você tiver com a língua, melhor. Portanto, faça uma imersão e tente consumir o máximo de inglês possível. Diversas vezes ao dia, por meio de diferentes ferramentas. Uma delas, simples mas eficaz, é configurar todos os seus dispositivos em inglês. Com o tempo você vai se familiarizar com os termos. Há também diversos apps que te ajudarão a treinar, como o Duolingo por exemplo, que está entre os mais baixados no mundo. Filmes e séries no Netflix também contribuem muito nesse processo. Blogs com dicas de inglês, como o GoLearners, também são muito uteis e colaboram com conteúdo de qualidade para aumentar seu conhecimento. Você também pode consumir o conteúdo que gosta na internet em inglês – aquele blog

de culinária ou aquele canal no YouTube sobre miniaturas, por exemplo. Procure sempre por conteúdos em inglês. Caso você queira treinar seu speaking com algum professor de outro país para se habituar com diversos sotaques, pode contar com a Engoo. Com o tempo a nova língua se tornará comum e sem perceber você estará entendendo e se comunicando em inglês. Com a comunicação, criatividade e colaboração em alta na sociedade moderna, novas ferramentas surgem a todo momento. Uma ferramenta que está sendo muito usada hoje são os meetups, que são encontros planejados onde pessoas com interesses em comum se reunem. No caso do aprendizado de inglês, as pessoas realizam esses encontros para treinar a língua – falando, ouvindo e interagindo uns com os outros.

Para finalizar

Com toda essa mudança na sociedade, principalmente por conta da tecnologia, a mudança na forma de adquirir conhecimento seria inevitável. Precisamos ter em mente que a forma de aprender inglês mudou também. Antes, ir a uma escola para fazer aula em grupoera a única opção. Hoje, com a quantidade imensa de recursos que temos, podemos aprender inglês de uma forma mais personalizada e dinâmica. Por isso, seja um aprendiz autônomo, assuma a responsabilidade pelo aprendizado e utilize a maior quantidade de ferramentas possível. Seja você o responsável pelo seu sucesso.

 

Não dá. Não dá, não dá. Não dá para perder

Para você conhecer lugares lindos e uma gastronomia maravilhosa, acompanhados de ótimas pessoas e, claro poxa, os melhores vinhos brasileiros, a SBAV-SP promoverá uma viagem com direito a participaçã na Avaliação Nacional. Vai perder?

E, se….

Vivemos momentos de transformações. A crise paralisa muitas pessoas, empresários, assustados pelos impactos econômicos. O empreendedorismo amador, não tem mais espaço nos mercados. Os modelos de negócios atuais, exigem camaleões em vez de caracóis. É preciso ser resiliente, flexibilizar sua produção e, principalmente, sua mente. Pegue a palavra CRISE, e tire o ‘S’.

Sei, não é só uma questão de alegoria, ou troca de letrinhas. É mudança, mesmo. Enquanto os mercados toleravam negócios amadorísticos – o que já aconteceu há algum tempo – tudo bem. Mas, hoje, consumidores mais exigentes e com muitas escolhas (opções) à sua disposição – além de concorrentes ferrenhos – isso já não tem mais lugar. Não bastasse isso, a CULTURA arraigada, que adormece mentes, gruda bundas em cadeiras e paralisa os acomodados (e corporativistas), atrapalham tremendamente as mudanças.

Mas, E SE você fizesse um esforço? É uma questão de sobrevivência. De sua empresa e SUA. Empresa nenhuma paga salário. Ela compra seus serviços.

Duas excelentes indicações de leitura.

Um kit de ferramentas para o crescimento rápido de sua empresa. Essa é “A magia do DESIGN THINKING”, Jeanne Liedtka & Tim Ogilvie, Editora HSM.

A outra obra, é FRASER, H. DESIGN THINKING para negócios na prática. Um excelente guipara para aplicação da abordagem DT.